Entenda a realidade na Emgepron.

Entenda a realidade na Emgepron.
Observem: Nesse Blog não há intenção de denegrir ninguém. A ideia é tornar pública as injustiças e estimular a luta por justiça. As referências feitas a pessoas são meramente por situações ocasionais e contextuais que ajudam ou, muitas das vezes, dificultam essa tão sonhada justiça, situações típicas de "ligar o milagre ao santo" que o praticou. O Blog se destina a crônicas, opiniões, desabafos e comemorações sobre a vitória dos Trabalhadores sobre a Injustiça.

DOCUMENTO PUBLICADO EM 23 DE AGOSTO DE 2014.

DOCUMENTO PUBLICADO EM 23 DE AGOSTO DE 2014.
DOCUMENTO DO 1° DN À PROCURADORA ISABELA TERZI DO MPT/ADMINISTRAÇÃO DA ESTATAL CONTRATOU O ADVOGADO DE 1 MILHÃO QUINHENTOS E QUARENTA E OITO MIL REAIS PARA ANULAR A SENTENÇA TRANSITADA EM JULGADO.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Comentarista do Blog comunica que haverá demissões no AMRJ.

Ao Blog, ainda que não sejam Boas Notícias para muitos, só cabe avisar, alertar. 


Esse Blog pede bom senso aos leitores. 

Trata-se de informações e os trabalhadores precisam estar atentos. Se verdade ou boatos de quem escreveu, não cabe a mim julgar.

Quem demite Trabalhadores da Estatal? São os Militares? ou é o  RH da Estatal dentro da Organização Militar?

 Leia como a Estatal Emgepron financia em dinheiro as OMPS, Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ), Laboratório Farmacêutico da Marinha (LFM), Fábrica de Munição Almirante Jurandyr Müller de Campos (FAJCMC): Leia.

Ainda creio que a Estatal Federal Emgepron está agindo na contra-mão dos direitos garantidos na Constituição Federal de 1988 a todos que contratam (concurso público é uma forma de contrato) que são Princípios elencados na Carta Magna, dentre eles: Moralidade, Impessoalidade, Motivação.

    Os  trabalhadores, que se sentirem injustiçados, devem procurar o Sindicato dos Metalúrgicos, devem procurar o Jonas, devem pedir suas reintegrações. O Sindicato tem feito contato com o Ministério Público. 

    Vocês devem escrever ao Deputado Federal que vocês ajudaram a eleger,  devem escrever ao Senador que vocês confiaram os seus votos e denunciar quaisquer Covardias feitas contra seus Direitos. 


6 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Ser demitido por essa empresa não é motivo de choradeira, mas sim motivo de alegria de liberdade, pois quem tem capacidade se estabelece em qualquer outro lugar, mas quem não tem esta condenado a ser capacho de seus superiores atacando quem busca por justiça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há homens idosos, aposentados, que, por estarem a mais de 20 anos trabalhando na Estatal, sentem-se intocáveis até serem demitidos de surpresa. Sei que muitos desses são partidários dessas demissões em massa por acharem que eles não serão atigindos e que somente os "bola 7", os perseguidos pelas "chefias", são os que serão demitidos, mas não justifica as demissões em massa, as demissões desmotivadas.

      Eu compreendo sua forma de ver a situação e a respeito. Em algumas situações, até mesmos os que estão habituados à escravidão deveriam ser forçados a viverem em liberdade.

      Quando se empreende uma luta em busca de justiça, quando essa luta não é egocêntrica, com fins meramente lucrativos de um indíviduo, pessoal, singular, não se vê as opiniões contrárias. Busca-se, somente, denuniciar toda e qualquer covardia a direitos coletivos.

      No topo desse Blog, há um pensamento atribuído ao Barão de Monstesquieu, Charles-Louis de Secondat: "A Injustiça que se faz a um é uma ameça que se faz a todos".

      Partindo desse prisma, não se há de luta por um pedaço de pão que seja só "meu" e ignorar os outros que estão sem pão para comer. De fato, caro amigo, o homem simples, não pode mensurar o pensamento acima do Barão de Montesquieu. Essa é a nossa fraqueza.

      Excluir
  3. Ser demitido por essa empresa não é motivo de choradeira, mas sim motivo de alegria de liberdade, pois quem tem capacidade se estabelece em qualquer outro lugar, mas quem não tem esta condenado a ser capacho de seus superiores atacando quem busca por justiça.

    ResponderExcluir
  4. meus povo qui vam fica.os homem vam meliora os salrio dos pessoal.meuchefe falo que esse rapais do bloge ta nalista.meuspovo naofica perto desse rapais. nem fala cum eli. todos os almirante num que manda ospessoal pra rua mais e tudo culpa da dona dilma russefi sim. ne culpa dos homem nada

    os pessoal vai ganha pel, ipeca ate reaxuste depois dacabrita.os homem pressisa manda algumspessoal pra pra a empresa pode paga.numfica com pena dessi rapais nao,ele num quis respeita os homem a gora ele vaipaga
    ele tinha di pensa antis que os homem e tudo poderoso e tudo altoridade massima.eufalei meus povo num entra na justissa, tira todos os prossesso das mao dus juis.mais os pessoal so ouvi essi rapaismintiroso que num gostadushomem.ele que distrui nossa empresa.mais meu chefe ja falo qui ele vai se mandado em bora.porque o nomi desse ta nalista. agente temque ajuda a empresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguns trabalhadores me perguntam: - porque publico comentários do "Analfabeto"? Pedem para remover, não publicar, ignorar, etc.

      Eu os pergunto: - porque tenho que lê-los?

      Para evitar ameaças, ofensas, xingamentos à comentaristas, modero todos comentários. Removo alguns e, com isso, tenho que ler todos, inclusive os comentários do "Analfabeto", dos "anônimos contrários a mim e ao Blog" e os do "reacionário homem de 1964".

      Os leitores odeiam ler erros do "Analfabeto". Mas, se preciso ler ao moderar, porque não publicar? Meu problema com esses comentários de escravos de "confiança" do "sinhozinho" da casa grande por se acharem "membros" da casa do fidalgo, que sentem fortes preconceitos contra os "escravos" da senzala, e se opõem aos ideais de fuga e liberdade dos da senzala, é que se tenho que lê-los, então os publico.


      Como esse espaço para comentários tem sido mais usado para afrontar, escárnios e pouco usado para comunicação, vou mantê-lo fechado, assim não serei obrigado a ler (ao ter de moderar) sandices, alienações e preconceitos gratuitos.

      Excluir

Quando um homem perde a fé em algo, ele perde a motivação de lutar por esse algo.

Devida situação atípica, os Comentários estão abertos.