Entenda a realidade na Emgepron.

Entenda a realidade na Emgepron.
Observem: Nesse Blog não há intenção de denegrir ninguém. A ideia é tornar pública as injustiças e estimular a luta por justiça. As referências feitas a pessoas são meramente por situações ocasionais e contextuais que ajudam ou, muitas das vezes, dificultam essa tão sonhada justiça, situações típicas de "ligar o milagre ao santo" que a praticou. O Blog se destina a crônicas, opiniões, desabafos e comemorações sobre a vitória dos Trabalhadores sobre a Injustiça.

Juíza Gláucia mandando a Estatal apresentar Cálculos dos que não estão na tal "lista" à 21ª VTRJ.

Audiência de Execução do dia 23 de Setembro de 2014

O Dia 20/11 Honra Zumbi. Dia que todo humano de pele escura deveria se lembrar de seus Antepassados.

JOÃO ANUNCIA O ADVOGADO. Escritório na Travessa do Ouvidor, 21. Sala 303..

JOÃO ANUNCIA O ADVOGADO. Escritório na Travessa do Ouvidor, 21. Sala 303..
João pediu para o Blog anunciar o Escritório de Advocacia para quem quiser entrar nessa ação individual de requerer o passivo. Os quiserem mais informações, procurem o João ou entrem em contato diretamente com o advogado.

O Blog tem a visão de que, independente de decisão judicial, a injustiça feita tem que ter um fim.

O Blog tem a visão de que, independente de decisão judicial, a injustiça feita tem que ter um fim.
Nossa luta é por direitos trabalhistas que a mais de 14 anos está nos tribunais. A Estatal Federal EMGEPRON, apoiada pelo DEST/MPOG, tem levado esse processo às esferas judiciais superiores. Sempre se esquivando de cumprir ordens judiciais transitada em julgado peloTribunal Superior do Trabalho em Brasília (TST).

domingo, 23 de novembro de 2014

O Blog vê com preocupação os passos silenciosos dados pelo SINTEC Rio.

  Terça-feira, dia 25 de Novembro, o Sindicato convocou uma Assembleia Geral.

  Há uma forte pressão sobre o Sindimetal Rio para que ele se pronuncie sobre as ações da Empresa em dar nega ao Conselho da Juíza Gláucia para equiparar os Salários dos Empregados da Estatal aos das terceirizadas (naquela audiência de execução do dia 23 de setembro).

  Leiam aqui a saída pela tangente da Estatal documentada na postagem de 15 de novembro de 2014)

  Ainda assim, não podemos dizer se são esses os pontos a serem informados na Assembleia Geral, e não há como dar mais informações. Mas sabemos que temos de participar e cobrar ações contra a Estatal. Os trabalhadores têm pareceres de outros advogados que esclarecem o porque deles ainda os não estarem recebendo o piso salarial da CCT, então é hora de colocar tudo em pratos limpos.

video
O homem mais poderoso não é o que tem mais dinheiro, é o homem que tem os amigos mais poderosos. Eles servem para protegê-los dos adversários. Dinheiro sem aliado não é nada.

(Parafraseando Don Corleone, no Filme "O Padrinho".)

Fonte: http://portal.trtrio.gov/fotosarquivos

Na foto, acima, o novo Advogado do Escritório Loureiro Maia contratado da Estatal em uma partida de futebol entre Desembargador e Diretor do TRT Rio, nos anos 70.
  O Blog entende que o Sindimetal Rio foi vitorioso em todas instâncias trabalhistas em que lutou, mas os novos Advogados da Estatal se "saíram bem na conversa no pé de ouvido" feita no Gabinete da Juíza Gláucia.

  Para mim, o Destino dos Trabalhadores sempre estará nas mãos dos Trabalhadores.

  Temos que partir para Rua! Buscar pelos meios necessários chamar a atenção das Autoridades Públicas do País. Essa intimação tem que ser cumprida, isso seria justiça.
  Tanto Nilo, quanto outros trabalhadores atuantes, têm entrado em contato com o pessoal do Sindicato e pedindo explicação sobre essa atitude da Estatal em, a princípio, não reajustar os Salários dos Trabalhadores iguais ao das Terceirizadas que ela contrata para FAJ, LFM e AMRJ, uma vez que o prazo dado pela Juíza Gláucia à Estatal terminou no dia 07/11 e o prazo do sindicato terminou na sexta-feira (21/11).
  Uma Empresa, um só Sindicato. Isso para o bem dos Trabalhadores!

  O Blog vê com preocupação os passos silenciosos dados pelo SINTEC Rio.

  O Princípio da Unicidade Sindical no artigo 8º da CF/88 determina que apenas um sindicato poderá representar cada categoria profissional ou econômica.

  Mas o Princípio da Liberdade Sindical prevê a NÃO intervenção do Estado nas questões sindicais, com isso alguns empregadores buscam, avidamente, colocar mais de um Sindicato dentro de suas empresas, já que a CF/88, se contradiz ao prevê a não intervenção do Estado nas questões sindicais. 

  Isso tira do Estado o poder e a responsabilidade de ditar as regras e criar leis específicas no que se refere a identificação do sindicato que deverá representar determinada categoria.

 E é exatamente aí que começa o "samba do crioulo doido": A CF/88, art. 8º exige a Unicidade Sindical e ela prevê a não intervenção do governo nas questões sindicais, mas, ainda assim reafirma que o princípio da Unicidade Sindical deve ser respeitado.

  Cabe aos Trabalhadores dizerem não a entrada do SINTEC Rio na Estatal. Indo para Rua protestar! 

  Digo isso porque se dois sindicatos representarem as diferentes categorias profissionais dos Trabalhadores da Estatal, sabemos quem sairá no prejuízo.

  O Diretor de Ensino do SINTEC Rio, empregado Técnico da Estatal, disse a mim e para outros Trabalhadores que haverá uma Assembleia Geral, ainda em novembro, para tratar de assuntos relacionados a busca deles representarem os Empregados Técnicos da Estatal. 

  Isso é bom para o SINTEC Rio, realmente, mas é prejudicial para os Técnicos da Estatal.

  Os Trabalhadores têm que reativar seus sensos críticos e voltarem à Rua.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Sejam Justos a homens e mulheres cujas vidas estão em frangalhos pela baixíssima remuneração recebida na Estatal. Há uma Injustiça Flagrante na Estatal contra os direitos desses homens e mulheres!


 Hoje, conversando com um Trabalhador, no horário do rancho, ele me falou sobre suas dificuldades sem horas extras e dobras para complementar o leite em pó típico para recém nascido (que é muito caro) para seu filho recém nascido.

  Falei ao trabalhador acima: - Você é um profissional e trabalha para Marinha do Brasil! Você deve lutar contra essa injustiça que a Estatal faz com você. Disse a ele meu ponto de vista que é comum aqui no Blog: "Somente nossa mobilização nas ruas pode impedir que essa injustiça continue".

  A Estatal brinca com os direitos dos Trabalhadores: Ganhamos lutando de forma limpa, em todas instâncias trabalhistas. Mas, a Estatal não se conforma e ameaça os direitos desses trabalhadores com a Anulação da Sentença Transitada em Julgado (ouçam o áudio aos 53min 10seg).


  A Estatal, junto com o Arsenal (AMRJ), "proibiu" os Empregados Públicos da Estatal de fazerem horas extras, pernoites, dobras, serões.

  Boa parte dos Trabalhadores complementam suas baixas remunerações fazendo horas extras. É pouco, mas tem sido um dinheiro adicional aos seu parcos salários de R$ 970,00.

  Seria justa essa decisão, se não fosse cruel.

  Seria justo cortar esse meio dos Trabalhadores complementar a baixa remuneração, se a Estatal tivesse reajustado os salários dos Trabalhadores (as) ao justo. Se a Estatal tivesse feito isso, os Empregados Públicos da Estatal já estariam fora da zona de fome, estariam fora da zona dos que passam fome. Mas, com seus salários líquidos, algo em torno de R$ 700,00 a 800,00 (após descontos em folha), os trabalhadores passam fome com suas famílias.

   A maioria dos Trabalhadores está habituada a auxiliar sua renda e, a partir daí, alimentar sua família fazendo dobras, serões, horas extras aos sábados, domingos e feriados. Mas isso foi cortado e, em consequência, há o desespero estampado nos rostos dos Trabalhadores, pois esse arrocho veio logo no final do ano...

  Seria justo, se não fosse cruel.

  A Desculpa para esse arrocho contra os trabalhadores da Estatal vem de boca em boca. Mas, para esse corte, não é justificável: Dizem que o Contrato com o AMRJ foi aditivado em 100%, e o AMRJ quer diminuir o valor do novo contrato e, para isso, precisa reduzir os gastos com essas atividades citadas acima.

A pergunta é: Se todos trabalhadores têm salários fixos, qualquer conta pode ser feita a partir daí, ou estou errado?

  Minha opinião é que os Trabalhadores devem voltar à Rua! 

  Nossa Confiança na Justiça foi cega: RELAÇÃO SUSPEITA: Conselho Nacional de Justiça (CNJ) vai investigar venda de sentenças no Rio. 09 de novembro de 2009.  O Judiciário se envolve em corrupção tanto quanto os outros dois poderes (executivo e legislativo), lembrem-se do Juiz Lalau.

  Os Empregados da Estatal só podem denunciar as Injustiças que sofrem fazendo mobilização de rua.

 Os Trabalhadores devem chamar a atenção dos Políticos e Autoridades desse País para nossa situação lutando por seus direitos nas ruas.

  Temos a obrigação de fazer nossos atos de protestos nas Ruas do Centro visando a Justiça que nunca é feita e, quando vai ser finalmente feita, a Administração da Estatal saí pela tangente: Link, Link, Link. Quando ela se vê em apuros, ela se "safa (link)" no sentido pleno da palavra

  A Estatal foi vitoriosa contra a Secretaria da Receita Federal do Brasil e Fundo de Previdência e Assistência Social (FPAS), quando essas entidades da Administração Direta queriam fazê-la cumprir as regras que todas empresas têm que cumprir. A Estatal diz que é uma empresa diferenciada em função típica da Administração de Estado e, por isso, pede para ser tratada por exercer tarefa típica da Administração Direta (veja parágrafo 46 clicando aqui. A Estatal diz que  interpretação denota a tipicidade da competência da Emgepron, em desenvolver atividade típica de Estado, lastreada na segurança nacional, seu imperativo.

  Ela usará isso a favor dela no judiciário, como parece que usou com a Juíza Gláucia. Ouça a Juíza dizer algo semelhante ao que está no documento acima, no áudioaos 1h 35min 57seg.

  Se esperarmos pela justiça, talvez a justiça não seja feita. Se formos para rua, podemos chamar atenção de políticos e sociedade.  A Estatal é poderosa e o Governo Federal se coloca ao lado dela para protegê-la.

  Desde que ela "provou" para Juíza Substituta que sempre pagou reajustes superiores ao da CCT/SINAVAL (link) e foi concedido a anulação de uma sentença legítima (link), vi o poder dela no judiciário. Entendi que não podemos confiar na Justiça, mas forçá-la ser feita.

  Os Trabalhadores precisam se unir e exigir da Estatal as justas remunerações aos Trabalhadores.

 Existe uma covardia contra os Direitos dos Empregados Públicos da Estatal. Existe uma covardia que vem destruindo famílias, sonhos, vidas.

  Abaixo, um comentário na penúltima postagem do Blog:
  " gerou um lucro líquido de R$ 17,3 milhões."

  E nós e nossas familia vamos passar mais um natal e ano novo com fome sem um tostão cheio dos Rs 800 que recebo e cheio divida. (...).



Acima estão as características do Desespero de Pais e Mães de Famílias. Desespero de Milhares de Profissionais cujas remunerações, bruta, sem descontos, não chegam a R$ 1.000,00.

  Na página 65 do Balanço Patrimonial e Relatório de Gestão da Estatal, assinado digitalmente pelo Vice-Almirante da Reserva e Diretor-Presidente da Estatal Marcelio Carmo de Castro Pereira, diz:

  "Pela análise dos principais indicadores de desempenho e das demonstrações patrimoniais e de
resultados apresentados no exercício de 2012, pode-se concluir que o faturamento no período foi de R$339,2 milhões, 3,89% superior ao realizado no mesmo período do exercício anterior, e gerou um lucro líquido de R$ 17,3 milhões. Confrontando-se o lucro líquido do período com o patrimônio líquido no final do exercício de 2011, observa-se uma taxa de retorno de 20,36%, superior à inflação e aos juros praticados pelo mercado.

  Observa-se, também, que a Empresa continua com uma boa liquidez, apesar de constantes atrasos no recebimento de serviços prestados para a MB, tendo encerrado o exercício com R$ 120,5 milhões em caixa aplicados no Banco do Brasil (BB) e na Caixa Econômica Federal (CEF).


  O orçamento, para o exercício 2012, foi executado com recursos próprios, dentro dos limites
estabelecidos e autorizados pelo DEST, sem a necessidade de qualquer recurso orçamentário adicional do Governo Federal."

  Eu não entendo esse orgulho da Estatal em dizer que não usa recursos do Tesouro, quando sua mão de obra passa fome com o salário que recebe?

  Eu não entendo isso. 

  Sim, a Emgepron foi criada para um fim, mas nossas vagas são criadas pelo Governo para um fim, também.

  Paguem o justo aos Trabalhadores! Sejam Justos com esses homens e mulheres cujas vidas pessoais e familiares estão em frangalhos, causados pelas baixíssimas remunerações recebidas na Estatal. Esse é o Emprego deles. Eles querem sobreviver com seus salários.

  Há uma Injustiça Flagrante, terrível, na Estatal, contra os direitos desses homens e mulheres! 

  Há uma violência contra esses direitos já transitados em julgado.

  Não, não há outra forma de dizer isso, quando se olha nos olhos de um pai de família, cujo primeiro filho dele está recém nascido e o salário desse homem, líquido, não chega a R$ 800,00, enquanto a Estatal confirma seu lucro líquido gerado em  R$ 17,3 milhões. Isso é Injustiça Terrível!

  Não há outra forma de dizer que terrível covardia é feita contra os trabalhadores quando esses homens e mulheres saem de casa para trabalhar em uma Estatal  do Governo  Federal e, por falta de  salário  justo, nao deixar o alimento para seus filhos em suas casas .

  Muitos dos Empregados da Estatal estão  devendo  aos bancos, estão com suas contas atrasadas e com isso a energia elétrica cortada, nome no SPC/Serasa etc.

  Somos parte do patrimônio da Estatal e tudo que pedimos é salário justo. É justiça, nada mais.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Pela análise de indicadores de desempenho, demonstrações patrimoniais e resultados no exercício de 2012, pode-se concluir que o faturamento foi de R$ 339,2 milhões e gerou um lucro líquido de R$ 17,3 milhões.

20 de Novembro é Dia da Consciência Negra: Há preconceitos contra homens pretos em todos os lugares. Tenham consciência disso.

AOS QUE INTERESSAREM, FAÇAM DOWNLOAD DO RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 DA ESTATAL EMGEPRON.


 EMGEPRON, por ser uma empresa pública, tem seu capital formado por 100% de participação da União, logo, não possui ações no Mercado de Capitais.

Composição Acionária da UJ como Investidora: A EMGEPRON não tem investimentos em outras Empresa.

Pela análise dos principais indicadores de desempenho e das demonstrações patrimoniais e de resultados apresentados no exercício de 2012, pode-se concluir que o faturamento no período foi de R$ 339,2 milhões, 3,89% superior ao realizado no mesmo período do exercício anterior, e gerou um lucro líquido de R$ 17,3 milhões.

Observa-se, também, que a Empresa continua com uma boa liquidez, apesar de constantes atrasos no recebimento de serviços prestados para a MB, tendo encerrado o exercício com R$ 120,5 milhões em caixa aplicados no Banco do Brasil (BB) e na Caixa Econômica Federal (CEF).

O orçamento, para o exercício 2012, foi executado com recursos próprios, dentro dos limites
estabelecidos e autorizados pelo DEST, sem a necessidade de qualquer recurso orçamentário adicional do Governo Federal.

A leitura desses relatórios é importante para que tenhamos noções do ambiente em que vivemos: 


Em meios aos milhares de trabalhadores(as) que entraram e entrarão na Justiça pedindo seus direitos ao passivo, é bom que leiam isso.


Tantos outros que estão conseguindo suas reintegrações por demissão imotivada por parte da Estatal, terem conhecimentos dessas decisões vindas do Governo/Ministério da Defesa/Casa Civil/AGU etc., é importante.

O ideal é que os Empregados Públicos façam download desses pareceres e apresentem aos seus Advogados. Isso poderá ser usado como provas de que suas funções são metalurgias.



"A Receita sustenta que o código correto é o referente ao setor privado já que é essa a natureza dos serviços prestados pela Emgepron à Marinha do Brasil.

A Emgepron sustenta que o código correto é aquele referente ao setor público já que é empresa pública e desenvolve atividades de fomento à defesa nacional e atua em apoio à Marinha. Não é mera prestadora de serviços privados. Atua em atividade finalística do Estado, com grande impacto na segurança nacional.

12. No tocante às outras atividades legais da EMGEPRON, ainda que possam elas ser enquadradas como atividades econômicas, são elas desempenhadas em razão de imperativos de segurança nacional, na medida em que destinadas a prover a Marinha do Brasil, seu único beneficiário, dos meios necessários para o seu devido funcionamento."


A DATA CORRETA É 25/11 (TERÇA-FEIRA).

ONDE SE ESTÁ ESCRITO FAJ E ARSENAL, LÊ-SE TODOS OS EMPREGADOS PÚBLICOS DA ESTATAL.

Seus impostos sindicais são recolhidos em nome de um só Sindicato.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Sindicato convoca Assembleia Geral.

A data acima está errada. A Assembleia Geral será  em 25/11.

Onde se lê "FAJ e ARSENAL", têm -se que ler: Todos os Empregados da Emgepron.

Seus impostos sindicais foram recolhidos  para um único sindicato, então todos têm voz nessa Assembleia. 

domingo, 16 de novembro de 2014

Se a situação chegou a este ponto é devido a nossa falta de coragem em tomarmos uma atitude.



Meu amigo X Ray.

Você parece uma pessoa inteligente, então use essa capacidade para ajudar com opinião construtiva.

O Alexandre do blog é uma pessoa que eu batia de frente muitas vezes, mas eu admiro muito por ter mais coragem que eu. E digo mais, que a esposa e filhos dele devem ter muito orgulho dele.

E se dentro da empresa tivesse mais pessoas como ele, tenho a certeza que ela não faria a metade do que faz com os funcionários. E se o país tivesse mais pessoas como ele, a nossa nação seria muito melhor.

Ele não tem culpa do que está acontecendo. Ele, como eu, acreditava no sindicato, mas a própria instituição está sendo dirigida por incompetentes, para não dizer outra coisa.

Então, as pessoas que acompanham o blog devem agradecer ao Alexandre, pois ele é a nossa voz que está mostrando a injustiça que passamos.

Vamos ter mais respeito com ele. E peço que quem postar tenha mais coragem e assine o próprio nome para mostrar ao dono do blog que não está sozinho nesta luta contra a injustiça.

Se a situação chegou a este ponto é devido a nossa falta de coragem em tomarmos uma atitude.

sábado, 15 de novembro de 2014

Todas as pessoas que me conhecem sabem que não tenho papas na língua, e, se tiver errado, sou homem para pedir desculpas.

Meus amigos.

Todas as pessoas que me conhecem sabem que não tenho papas na língua, e, se tiver errado, sou homem para pedir desculpas.

Mas em relação ao sindicato, sinto que não corro risco de pedir desculpas. Porque eles fazem questão de mostrar a incompetência em perder um processo que já foi transitado e julgado, e que foi ganho em todas as instâncias graças ao Maurício e a doutora Eneida.

Quando fui na audiência, lá percebi que esta diretoria do sindicato não tem condições de representar uma categoria como o metalúrgico.

Um diretor em reunião com os trabalhadores fica mudo e fazendo desenhos. Enquanto outro que se diz “diretor do departamento jurídico” nem advogado é mais, considera mais esperto que os outros.

Uma advogada muito bonitinha, mas sem experiência, sem postura de voz e sem atitude.

Talvez mais 10 anos ela terá condições de ser advogada de um sindicato e que tenha mais respeito com quem contribui para pagar o salário da mesma, que deve ser de estagiária.



Ass: João Carlos

Administração da Estatal Responde à Juíza Gláucia, no dia 07 de novembro, no último dia do prazo de 45 dias, que não vai reajustar os salários dos Empregados da Estatal pelos Salários dos Trabalhadores Terceirizados.

 O que acontece dentro da Estatal Federal Emgepron é uma Covardia contra os Trabalhadores.
Um Estrangulamento Financeiro terrível que afeta a vida familiar e a saúde dos Empregados da Estatal.

Uma Injustiça sem igual, na história das Empresas Públicas Federais.

Estatal se recusa a equiparar os salários dos Trabalhadores, conforme combinado em Audiência (leia), no dia 23/09/2014, como diz a CLT, art. 461, § 1º.


Em resposta ao conselho da Juíza Gláucia, a Administração da Estatal Federal Emgepron deu sua resposta:
A Estatal se comprometeu diante da Juíza Gláucia averiguar pagamentos a trabalhadores de empresas contratadas por ela com salário superior ao pago aos Profissionais Concursados. E, a Administração da Estatal, através do seu novo Advogado Luiz Otávio Medina Maia (veja foto, no Portal do TRT Rio, o Drº Medina, nos anos 70, numa partida de futebol entre Desembargador Pimenta de Mello e Diretor do TRT, clique e veja a foto), dá nega a essa proposta de Acordo proposto pela Juíza.






  Anexos a essa Resposta do Escritório de Advocacia Loureiro Maia, contratado pela Estatal para anular a Sentença da Juíza Gláucia e se livrar do Passivo, há centenas de outras folhas que podem ser lidas nesses links:




http://www.jusbrasil.com.br/diarios/54638405/dou-secao-3-22-05-2013-pg-20

http://sistemas.mre.gov.br/intratec/Consultivas/DiarioOficial/page/arquivos/2009/DO3_20.11.pdf

  Eu e Nilo estivemos ontem na Sede do Sindimetal Rio, mas a Advogada do Sindimetal Rio não nos recebeu. Isso não me causou estranheza alguma, mas me deixou desapontado pelo seguinte fato: O Processo seguindo um rumo estranho aos interesses dos Trabalhadores e há uma "montanha de dúvidas" a serem tiradas. Como respostas a tudo isso, "um não posso atender do Sindimetal Rio". Isso aconteceu as 17h 10min, 50 minutos antes de encerrar o expediente.

  Quem veio até ao corredor do andar falar conosco foi a Advogada auxiliar dela e ela confirmou que a Intenção do Advogado Medina é Anular a Sentença que deu a Representatividade ao Sindimetal. 

  Se o Advogado Medina conseguir isso, voltamos a Estaca Zero. Sem Sindicato de verdade que nos represente. 

  A Advogada do Sindimetal Rio disse que vai seguir o conselho da Juíza Gláucia que é espalhar os processos individualmente em todas as mais de 80 varas do Rio de Janeiro (ouça esse conselho da Juíza dos 46min 26seg e 1h 02min 45seg).

  O Sindimetal Rio diz que "isso é quase impossível de acontecer" com a tranquilidade que me deu náuseas. Um dos pontos fracos do Sindimetal Rio é engolir as iscas que a Estatal joga, substimar demais quem não quer pagar o que justo. 

  A Anulação desse Processo é a Jogada Suja de tirar o Sindimetal Rio de dentro da Estatal (representatividade sindical), é tirar dos Empregados da Estatal o direito de ser representado pelo Sindicato dos Metalúrgicos.

  Sobre essa ação de Anular a Sentença, com a qual o Advogado Medina ameaçou a Juíza, a Juíza Gláucia considerou isso, da parte da Estatal, uma "selvageria" da Estatal.

  Ouça o áudio no 53min e 10seg  e a 1h 20min 07seg e entenda melhor a colocação da Juíza, espantada com tal ação da Parte da Estatal que ela qualificou como uma empresa que, na verdade, não quer fazer acordo algum e simula querê-lo somente para buscar pretextos para anular a sentença justa, até então. 

  Falei com a Advogada auxiliar que nos atendeu se os Trabalhadores abrirem mão da representação deles nesse processos que vão ser espalhados pelas varas do Rio de janeiro, por não confiar neles juridicamente, se haverá algum problema, a Advogada disse que não há problema algum nisso. 

  Nilo estava comigo, quando da pergunta e dessa resposta.

  Abaixo, João Carlos pediu ao Blog para anunciar o Escritório de Advocacia que vai representar os Trabalhadores que quiserem entrar nessa ação individual de requerer o passivo através de um Advogado Particular.

  Lembro-os que esses Advogados: Luiz Otávio Medina Maia e o Advogado Júlio  César Loureiro já lutam nos Tribunais (clique).

  Usando a pesquisa Google, com essa combinação "julio cesar loureiro/luiz otávio medina", verá dezenas de casos em que os dois advogados defendem seus clientes, o Drº Medina sempre em defesa do Itaú. 

  Nisso, há algumas coincidências que devem ser pensadas pelos Trabalhadores, pois no caso Itaú, o Advogado que defende o Itaú é o Drº Medina,  e o que Defende os Trabalhadores do Itaú é o Drº Loureiro.

  O Endereço desse Advogado será postado quando o João repassar ao Blog:

O endereço foi suprimido porque o Advogado está em outro escritório no Centro do Rio.

Notícias do Blog Metalúrgicos da Emgepron

Loading...