Entenda a realidade na Emgepron.

Entenda a realidade na Emgepron.
Observem: Nesse Blog não há intenção de denegrir ninguém. A ideia é tornar pública as injustiças e estimular a luta por justiça. As referências feitas a pessoas são meramente por situações ocasionais e contextuais que ajudam ou, muitas das vezes, dificultam essa tão sonhada justiça, situações típicas de "ligar o milagre ao santo" que o praticou. O Blog se destina a crônicas, opiniões, desabafos e comemorações sobre a vitória dos Trabalhadores sobre a Injustiça.

DOCUMENTO PUBLICADO EM 23 DE AGOSTO DE 2014.

DOCUMENTO PUBLICADO EM 23 DE AGOSTO DE 2014.
DOCUMENTO DO 1° DN À PROCURADORA ISABELA TERZI DO MPT/ADMINISTRAÇÃO DA ESTATAL CONTRATOU O ADVOGADO DE 1 MILHÃO QUINHENTOS E QUARENTA E OITO MIL REAIS PARA ANULAR A SENTENÇA TRANSITADA EM JULGADO.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Últimos andamentos no Processo Principal 0168800-03.2005.5.01.0021/ Reajustes de 8,78% para os Empregados da FEMAR.

Obs.: "a secretária da Doutora Regina avisou que o Servidores do Judiciário Trabalhista estão em greve".

Últimos andamentos no Processo Principal 0168800-03.2005.5.01.0021: Houve um depósito recursal GFIP e, em seguida, duas séries de Alvarás com numeração diferentes. Uma delas dirigida à Caixa Econômica Federal "CEF", dentro do Fórum, na Rua do Lavradio.
   O Jurídico do Sindicato segue uma ortodoxia muito rígida, quando o assunto é informação de processos coletivos. Somente às Segundas-Feiras, até às 11h00.  

   Além do Sindicato, o Jurídico da Estatal tem obrigação de fornecer informações sobre se foi a Estatal que fez esse depósito, se foi a Estatal que impetrou os Alvarás e, se foi a Estatal, porque motivo o fez.

   Os Trabalhadores têm a Lei do Acesso à Informação (leia) ao seu lado.

   Os Servidores Aposentados e Militares da Reserva remunerada voltam (a maioria nem chega a "sair", apenas tira a farda e põe o jaleco caqui ou cinza do AMRJ) ao Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro ou pela EMGEPRON (que não é a preferida deles) ou pela FEMAR  "FEMAR é uma Instituição Privada, como a FIA, a tal do PCS fantasma".

   A FEMAR não tem "fins lucrativos".

   A FEMAR (Fundação de Estudo do Mar) tem seu escritório, no AMRJ, no 3º andar do edifício 11. Essa Fundação Privada concedeu reajuste salarial anual a seus Empregados Ex-Militares e Ex-Servidores no percentual de 8,78%.

   Como esses Militares que passaram para a reserva remunerada, Comandantes, Capitães, Tenentes, Suboficiais, Sargentos e ex-Servidores aposentados, estão lotados no AMRJ, é evidente que esses reajustes de salário serão repassados ao AMRJ, o contratador.

   Conjecturo eu e pergunto aos leitores: "- dá para entender por que para o efetivo da Emgepron não sobra nem migalhas, não há nem mesmo o IPCA?" 

   Companheiros, quanto ganha um Comandante de Marinha, na reserva, que é contratado pela FEMAR? Ex-Servidores aposentados, Técnicos, na função de "Instrutores" dos alunos da ETAM? Quanto eles recebem da FEMAR? Os Eletricistas? Os Maçariqueiros e etc? E, quantos os mesmos profissionais da Estatal ganham? Ambos os recursos saem da mesma fonte: Cofres do AMRJ. Mas, porque o arrocho salarial é somente encima dos Empregados da Estatal?

   Empregados da Emgepron têm Emprego Público (leia pág. 2)... O Emprego na FEMAR é Privado, tem que ser dinheiro em "cache".

   A FEMAR, embora seja "sem fins lucrativos", não coloca os Comandantes da Reserva e Ex-Servidores aposentados para trabalhar de graça. Ela paga e paga muito bem a eles e esse valor acrescido dos encargos são repassados ao AMRJ.

  De onde sai esse Dinheiro para cobrir os salários do efetivo da FEMAR? Dos Cofres do AMRJ, assim como o dinheiro para cobrir a folha com o pessoal da Estatal, assim como todas as folhas de todas as terceirizadas que reajustaram os pisos salarias de acordo com a Convenção Coletiva de Trabalho do Sindicato.

   Covardia! 

  Covardes, chamo a todos os Militares de Alta Patente da Marinha que têm ingerências sobre esse achacamento salarial sofrível impetrado aos Empregados da Estatal Federal Emgepron (leia pág. 3).

   Segundo o Sindicato, a Administração da Estatal disse que a "ordem" do DEST/MOPG é 0% de Reajustes para o pessoal da Emgepron (vídeos); na Conversa que tivemos com o Almirante Mário (Diretor do AMRJ) ele deixou claro que não havia previsão orçamentária alguma para reajustes salariais, nem o ACT da FIA, nada.

   Mas, para FEMAR esse "corte do orçamento" não se aplica... Nem se aplica às Terceirizadas...

   Para os Empregados da Estatal, não, o corte será terrível e não haverá reajustes, nem o IPCA, não será possível aplicar o Acordo Coletivo de Trabalho, cujo valor pago à Fundação da iniciativa privada "FIA" foi de quase UM MILHÃO DE REAIS! Que Covardia é essa?

  Que tipo de pessoas podem recusar direitos, quando são assegurado? Quando se contrata profissionais, mas não se pagam salários justos? Quando se tem um Estaleiro, como é o caso do AMRJ, e colocam homens e mulheres em franca atividade naval e não os remuneram com o justo e se escondem covardemente atrás de Portarias, Decreto-Leis em detrimento do Direito e buscam anular uma sentença tornando um "homem" milionário com o honorário de UM MILHÃO QUINHENTOS E QUARENTA E OITO MIL REAIS?

   São Homens e Mulheres trabalhadores da Emgepron, Vice-Almirante Laranjeira.

   Ainda que eu tenha certeza de que o senhor pouco ou nada pode fazer para mudar esse quadro de Injustiça que impera na Estatal, com relação ao empregados da Estatal, devido ao interesse de que haja sobra de fatia cada vez maior do capital despejado nesses contratos e nos negócios da Estatal, mas o senhor pode ir até Brasília, pode ir até o Comandante da Marinha, até o Ministro da Defesa e falar pelo que é justo, pela reparação da injustiça feita a três décadas contra os Empregados dessa Estatal.

  Para os Empregados da Estatal, na Emgepron "mudam o jogo, mudam os jogadores, mudam as circunstâncias do jogo, mas a situação continua a mesma", ou seja, senhor Diretor-Presidente da Estatal, os Empregados da Estatal Federal Emgepron acham que o senhor é farinha do mesmo saco e está aí para defender o do senhor e dar as costas para os Empregados da Estatal.

   Quiçá seja só uma má interpretação de homens e mulheres cansados de receber "salário um pouco acima da fome", quiçá o senhor não seja o que pensamos ser todos os Diretores-Presidentes que assumem esse cargo na Estatal.

   Não acredito na Justiça! Acredito na organização de Homens Trabalhadores em prol de Justiça.

  O que fazem com os Empregados da Emgepron não são coisas que se devem entregar nas mãos de Juízes e "esperar", somente...  São os Trabalhadores da Estatal que têm que entregar a Lei nas mãos dos Almirantes que estão em Brasília, no Gabinete do Comandante da Marinha do Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quando um homem perde a fé em algo, ele perde a motivação de lutar por esse algo.

Devida situação atípica, os Comentários estão abertos.