Entenda a realidade na Emgepron.

Entenda a realidade na Emgepron.
Observem: Nesse Blog não há intenção de denegrir ninguém. A ideia é tornar pública as injustiças e estimular a luta por justiça. As referências feitas a pessoas são meramente por situações ocasionais e contextuais que ajudam ou, muitas das vezes, dificultam essa tão sonhada justiça, situações típicas de "ligar o milagre ao santo" que o praticou. O Blog se destina a crônicas, opiniões, desabafos e comemorações sobre a vitória dos Trabalhadores sobre a Injustiça.

DOCUMENTO PUBLICADO EM 23 DE AGOSTO DE 2014.

DOCUMENTO PUBLICADO EM 23 DE AGOSTO DE 2014.
DOCUMENTO DO 1° DN À PROCURADORA ISABELA TERZI DO MPT/ADMINISTRAÇÃO DA ESTATAL CONTRATOU O ADVOGADO DE 1 MILHÃO QUINHENTOS E QUARENTA E OITO MIL REAIS PARA ANULAR A SENTENÇA TRANSITADA EM JULGADO.

terça-feira, 5 de maio de 2015

Se está difícil vencer os Militares Almirantes que Administram a Estatal, o SINDIMETAL Rio deve rever suas estratégias. / Sobre o Acordo Coletivo na IMBEL feito pela Intersindical que o Sindimetal Rio é parte.

Ministro Ives Gandra Martins Filho.

    Sobre o Acordo Coletivo na IMBEL feito pela Intersindical que o Sindimetal Rio é parte: "Pelo acordo, o reajuste será de 8%, com piso salarial de R$ 1.065,53. O abono salarial terá o
mesmo reajuste e será de R$ 1.080, a ser pago em parcela única. Já a cesta básica e o auxílio-creche serão reajustados em 20%, resultando no valor de R$ 503,32 para a primeira e 300,51 para o segundo". (leia no site do próprio TST).

    Companheiros, é isso que digo: Se está difícil vencer os Militares Almirantes que Administram a Estatal, o SINDIMETAL Rio deve rever suas estratégias. Concordo que um Piso Salarial de  R$ 1.065,53, igual ao da IMBEL, é inaceitável, uma vez que temos uma Sentença Transitada em Julgado.

    No nosso caso, há uma Sentença Transitada em Julgado, desde 2013, que diz que o Sindicato a representar os Empregados da Estatal Emgepron é o Sindimetal Rio. Essa sentença, diferentemente da IMBEL que tem uma INTERSINDICAL, nos dá direito a pleitear a Convenção dos Metalúrgicos em Setor Naval (SINAVAL), ainda que individualmente, como ordenou a Juíza Gláucia, quando disse que era inviável fazer um cumprimento de sentença coletiva para 1700 trabalhadores, sendo obrigação dos que quiserem, fazê-lo pessoalmente (individualmente). É nosso direito o Piso Salarial e os Benefícios e não podemos abrir mão, indo à Justiça buscar esse direito. Não abrir mão de um direito transitado em julgado é o objetivo.

    Agora, o Sindimetal Rio buscar aliançar-se a outros Sindicato para com eles resolver nossa situação com Acordos Coletivos mediados pelos Ministro do Tribunal Superior Trabalho "TST" é outra coisa.

    Porque penso assim: "Tendo o Sindimetal Rio vínculo (se direto ou indireto, não posso dizer) e raízes ligadas ao Partido Comunista do Brasil "PCdoB", que é Base de Apoio ao Governo da Presidenta Dilma Roussef, durante os Três Mandatos do Partido que eles (Sindimetal Rio e PCdoB) apoiam, não não conseguiram nada que beneficiasse os trabalhadores da Estatal, a não ser a liberação histórica dos Impostos Sindicais dos Trabalhadores em favor do Sindimetal Rio, mas para os Trabalhadores da Emgepron não houve qualquer melhoria.

   Penso: E se entrar um Governo de Oposição ao "ideal" do Sindimetal Rio? Como será?

    Companheiros, tem que haver uma aliança entre o Sindimetal Rio e outros Sindicatos com objetivo de levar nossa luta até aos Ministros, Senadores Federais, Câmara dos Deputados. O que não dá é ver a Estatal usando "técnica de Judô" contra o Sindimetal Rio ao usar os pontos fracos deles contra eles mesmos e se sair na boa, diante da Justiça, quando diz que "tenta" fazer um Acordo Coletivo e o Sindimetal Rio não "cede". No caso da IMBEL, eles declaram Greve e os Militares pediram ao TST a intervenção (leia); dessa atitude saiu o Acordo.

   No nosso caso, há uma queda de braços, mas quem sai prejudicado nessa "queda de braços idiota, entre Estatal e o orgulhoso Sindimetal Rio, estão os Trabalhadores mal pagos.

   Na IMBEL, ainda que poucas, haverá mudanças, pela segunda vez, como em 2013 (leia).

   Nossa Situação é de sufoco e a Estatal permanece sempre olhando para bem-estar financeiro da Marinha do Brasil e de costas para a situação de seus Empregados. Com o Sindimetal Rio com a ideia fixa de uma vitória histórica sobre o orgulho Militar que Administra a Estatal e estar absoluto, não repetindo a situação na IMBEL, segue ao sabor das ondas judiciais. Nós, os Trabalhadores, não podemos nos dar o luxo de estar entre o orgulho militar dos Almirantes que Administram a Estatal e nem entre a ideia fixa de o Sindimetal Rio que, pela primeira vez, deseja ter uma Estatal dirigida por militares sendo somente o Sindimetal Rio a impor a regra do Jogo (CCT).

   A Justiça ordenou que quem quiser direito a essa Convenção Coletiva deve ir à Justiça buscá-la. Tudo indica que não virá de mãos beijadas, mas quando virá esse direito?

   Se o interesse do Sindimetal não é números de representados e seus impostos sindicais, como disse o ex-Diretor Jurídico, Wallace Paes, então que se unam e busquem forças sindicais para levar essa luta até o Senado, à Câmara, ao TST. Essa União aconteceu no passado, até onde sei (leia), então pode voltar a ser união, se houver consonância de que o Piso Salarial pleiteado deve ser igual ao da CCT/SINAVAL.

   Se Empresa Pública como a Imbel, gerenciada por Generais têm que obedecer decisões do TST, então a Empresa Pública Emgepron, gerenciada por Almirantes também irão obedecer ao TST.

   Agora, se o SINDIMETAL Rio, tiver força jurídica e política suficientes para "dobrar os Almirantes que Administram a Estatal, tiver forças para lidar com o Antagonismo do Comanda da Marinha sobre a questão representatividade Sindical pelo Sindimetal Rio, aí é outra coisa; só que, até agora, o Sindimetal Rio, não conseguiu vencer a Estatal, não por decisões judiciais, mas uma vitória que a obrigue a pagar salários justos aos seus Empregados Públicos.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Uma das minha maires decepçoes. Não fiz concurso pensando em não trabalhar e ganhar bem. Fiz pensando em trabalhar, ter estabilidade, tranquilidade, trabalho reconhecido e subir na vida seria consequência. Mas a única coisa que aconteceu é o meu trabalho, pois é do meu caráter. Só que nem isso é reconhecido. Eu não quero dinheiro fácil, não quero serbola 7, mas queria ao menos que fossem justos comigo. Perceber que vc não tem um aumento ou o reajuste justo, por sabe se la o que, quando em empresas semelhantes os outros o tem, é decepcionante. É só uma opinião. Eu nao quero o que nao eh meu. So o que e meu por direito e merecimento. Todo dia vir desanimado ta ficando dificil.

    ResponderExcluir
  4. Fiquei espantado com ah bancada do sindicato meus amigos todos com celular nas mãos sabes la fazendo oque enquanto os funcionários esperando alguma coisa concreta da parte deles

    ResponderExcluir
  5. Pelo menos o pessoal tá colocando o JUDÍRICO pra levantar ou sentar na cadeira pra trabalhar... Próximo concurso da Emgepron deve abrir bastante vagas pra Advogado ou estagiários em direito...rs

    Pra cima deles... rs rs rs

    ResponderExcluir
  6. AGORA NO INICIO DE SETEMBRO CERCA DE 20 FUNCIONARIOS DA EMGEPRON FORAM DEMETIDOS E EXISTE UMA SUPOSTA LISTA COM CERCA DE 70 PARA SEREM DEMITIDOS. ISSO SEM SINDICATO. ESTAO FERRANDO COM OS COLABORADORES. ESPERO QUE TODOS RECORRAM JUDICIALMENTE. A EMGEPRON ESTA AGINDO ARBRITARIAMENTE.

    ResponderExcluir

Quando um homem perde a fé em algo, ele perde a motivação de lutar por esse algo.

Devida situação atípica, os Comentários estão abertos.