Protestar nas Ruas é o objetivo desse Blog? Não. Justiça! Justiça sempre foi o objetivo desse Blog.


   Porque exponho minha situação pessoal aqui? Porque ela não é diferente da situação vivida pela maioria dos Empregados da Estatal.

   Não se trata de nenhum desequilíbrio financeiro desnecessário, ou gastos em supérfluos. O uso desse dinheiro (dívida contraída) foi justificado pelas circunstâncias que me vi obrigado a lançar mão dele. Mas não tenho como honrar as dívidas, não por que não quero honrar meus compromissos, até porque não sou mau pagador, só não tenho como pagar essas dívidas. O Salário que recebo na Estatal nunca me permitiu, ao longo desse quatro anos, honrar qualquer compromisso financeiro, somente permitiu-me sobreviver à dura pena.

   Dentro desse panorama acima, chamei minha esposa e conversei com ela: _ Filha, esse é o dinheiro que temos para passar o mês fevereiro (R$ 779,61); se a gente pagar as contas do mês, as crianças vão passar fome. O que a gente faz? Esse diálogo foi real. E decidimos, juntos, que a alimentação das crianças está em primeiro lugar.

   Companheiros, esse Blog chegou no limite dele. Não há mais para onde ir, para onde avançar...

   Esse blogueiro chegou no limite dele, não há mais para onde ir, para onde avançar..."

   Desde que iniciei essa luta, pensei no que fazer para que os Trabalhadores, em primeiro lugar, lessem esse Blog e, depois, no que fazer para que a Administração da Estatal também lesse o que escrevo sobre nossa situação e a revolta gerada pela mesma.

   Mantive-me afastado do Sindimetal Rio, no inicio desse Trabalho, e cobrava do Sindicato diálogo com o trabalhador, pois, durante o ano de  2012, o Sindicato havia nos dado "gelo".

   Esse diálogo foi aberto e eu passei a apoiar o Sindimetal Rio e alfinetar a Administração da Estatal, afinal, eu achei: "o Processo chegou ao fim" (ledo engano). Ao mesmo tempo, pensei que a luta da Esquerda seria boa para os Trabalhadores devido seu antagonismo histórico ao regime militar poderia ser usado para nos ajudar, então comecei a bater nessa tecla... Tudo foi inútil. Desde o apoio ao Sindimetal Rio a acreditar na força e ideologia de esquerda, em pleno século 20, tudo se demonstrou inútil.

   "Precisei concordar quando falam que não existe mais ideologia de esquerda ou direita quando o negócio é o poder (dinheiro)".

   Mesmo com tudo isso, todos esses agravantes, esse humilde blogueiro foi levado a sério pelo trabalho que exerce no Blog e chamado a conversar com o Almirante Mário, junto com mais três trabalhadores, devido ao Ato de coragem de menos de 30 trabalhadores, no último dia de Protesto na Escadaria (número de trabalhadores em frente ao ponto de ônibus dos empregados da Sede). Nós levamos a ele a situação vivida (igual a essa vivida por mim) por centenas e centenas de trabalhadores que. em alguns casos, está criando problemas de desequilíbrio emocional em trabalhadores devido às inúmeras uniões familiares desfeitas causadas pelo baixo salário na Estatal que não dá condições do Trabalhador sustentar uma família com o mínimo de dignidade.

   Companheiros, o ponto final do blogueiro está chegando... Esse é o ponto até onde sei que posso chegar e não há mais força em mim que me diga se há horizontes a serem alcançados.

   Se tudo que fizemos até hoje, e estamos fazendo ainda, não atenuar ou resolver essa situação que os Empregados da Estatal estão vivendo, não consigo vislumbrar meios de continuar a luta.

   A Estatal, por ser uma Empresa Pública criada com uma finalidade descrita na lei LEI Nº 7.000, DE 9 DE JUNHO DE 1982, art. 2º, inc. I, e tendo no art. 10 o meu pensar, não aumenta os salários dos Empregados Públicos da Estatal para não ter que aditivar o contrato da Estatal com a Marinha do Brasil, ou seja, são Diretores Militares na Administração da Estatal pensando na Marinha dos Militares e não nos Trabalhadores dessa Estatal. Tudo piora porque o DEST "precisa" (não sei se esse verbo tem o peso real da colocação, ou a Estatal e o Comanda da Marinha podem chegar a uma decisão?) aprovar qualquer aumento salarial para os Empregados da Estatal, mesmo a Estatal gerando a própria receita e o AMRJ sendo independente financeiramente para contratar o serviço da Estatal. (Visão dos fatos a grosso modo.)

  Demos (o Blog e os Trabalhadores que somam comigo nessa luta) o último Ato nessa luta que culminará com as Manifestações dos Trabalhadores no ATO de Doação de Sangue ao Hemorio e em frente ao MPT. Uma vez que o que eu e os outros três trabalhadores propomos ao Almirante Mário, Diretor do AMRJ, tendo em vista tudo isso acima, foi que eles (Administração da Estatal) atenuassem o sufoco que estamos vivendo. Que eles deem chance dos Trabalhadores sobreviverem com o salário que recebem do trabalho que prestam à Marinha do Brasil, em nome da Emgepron, uma vez que o prometido PCS da FIA não será aprovado esse ano. O que foi solicitado não é tão anormal que não possa se concedido, afinal,cesta alimentação para complementar o salário de trabalhador é comum na maioria da empresas,firmas etc.

   Em último caso, tendo a recusa da Estatal em atender esse pedido dos Trabalhadores, (aí, dependerá da força e coragem da massa de Trabalhadores) saírem para Rua em Protestos contra esse Arrocho Salarial desumano que nos é imposto, mesmo com pedido literal de clemência da parte de comissão de trabalhadores reunida, a pedido da Própria Administração do AMRJ para buscar um caminho para solução.

   Chamar os Trabalhadores para Protestar nas Ruas é o objetivo desse Blog? Não. Justiça! 

   Justiça sempre foi o objetivo desse Blog.

   Para irmos além de tudo que fizemos juntos (Blog e Trabalhadores que apoiam esse Trabalho) seria subir uma comissão de trabalhadores a Brasília para falar pessoalmente com o Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) sobre a situação de empobrecimento causado pela remuneração baixa paga pela Estatal aos seus Empregados, isso é, sem a intervenção e mediação do Sindimetal Rio ou de Políticos, uma vez que esses dois caminhos (Sindimetal Rio e Política, em Brasília, falando sobre assunto Emgepron) já foram usados e falharam conosco.

   Nessa luta, pensei que a luta chegaria ao fim por uma martelada das mãos da Juíza Gláucia Zuccari, mas me enganei redondamente no momento em que a ouvi aos 1h 12min do Áudio gravado na Audiência de Execução, no dia 23/9/14, a Justiça não se atrever a dizer: "pague salários dignos aos seus empregados".

   A Juíza entendeu tudo errado, ou errou de propósito, quando pensou que a União paga nossos salários. Ela seguiu esse caminho de pensar que uma sentença seria contra os cofres da União e não contra uma Estatal que gera sua própria receita (R$339,2 milhões de lucro bruto e um lucro líquido de R$ 17,3 milhões, clique e leia página 65) e com esse "pensar" estamos aí, estagnados e em franca decadência econômica ao receber a mesma merreca de salário, sendo reposto somente o IPCA.

  Nos sentimos desamparados pela Juíza Gláucia e revoltados contra o Sindicato por ele não ter conseguido resolver nosso problema e ter resolvido o dele (leia). Desamparados por que, segundo a Juíza Gláucia, quem quiser justiça salarial (piso da categoria), terá que pedir isso individualmente. Será aí a "corrida do gato atrás do rato", pois, quando cada um de nós ganharmos na justiça, a Estatal irá recorrer, embargar, protelar e usar todos os recursos legais, mas altamente prejudicial  aos seus empregados, para levar esse processo durante décadas.

   Tudo que os Empregados da Estatal esperavam da Juíza Gláucia era Salário que estejam de acordo com suas funções em Área Naval; isso foi tudo que os Empregados da Estatal pediram, mas a Juíza não pôde ser justa a esse ponto, afinal a Justiça é "cega".

Vou Esperar o desenrolar dos fatos.

Postagens mais visitadas deste blog

Recado da Doutora Regina aos trabalhadores e ex-trabalhadores.

Trabalhadores da Estatal sofrem novas demissões em massa hoje.

Demissões na Estatal Emgepron em junho de 2018.